Desenvolvimento de lideranças e os grandes desafios do profissional de RH

Desenvolvimento de lideranças e os grandes desafios do profissional de RH

Nós profissionais de RH temos vários desafios diários, mas um em especial sempre me chamou atenção desde que iniciei minha carreira em 2002, o desenvolvimento das lideranças. Assunto amplamente discutido e até mesmo repetido há muito tempo, porém o que há de errado já que as empresas continuam falando sobre o assunto e a contratação de consultorias e trabalhos de coachings está cada dia mais crescente para "resolver" o problema?

Primeiramente acredito que tudo comece no “como” o RH atua, se conhece bem o negócio, se "sai da cadeira" para ouvir as pessoas, entender como funciona o negócio, qual o DNA que rege a organização, como as pessoas enxergam esse DNA, se entendem as crenças e os valores. Conhecer as necessidades e o perfil das lideranças. É necessário alinhar as verdadeiras necessidades da organização ao perfil das pessoas que exercem cargos de liderança e vice versa. O perfil das pessoas que ali estão podem não estar de acordo com o que a organização espera, ou até mesmo por não saberem o que se espera deles os resultados não superam, não passam do que é necessário. Daí contratam-se consultorias, palestras prontas e nada de novo acontece. O profissional de RH entendendo realmente o que corre nas veias da organização e das pessoas pode trazer profissionais mais bem capacitados e alinhados ao negócio, pode e deve orientar da melhor forma as consultorias ou profissionais externos, pode e deve mostrar à  Direção / Presidência onde estão os verdadeiros gargalos.

Na grande maioria das vezes, as lideranças não precisam "aprender" apenas o que é ser líder e seus conceitos, precisa entender de práticas de departamento pessoal, de orçamento, custos, tem e precisa entender o negócio da organização e o porquê e para que ela existe.

Porém, o que se prega hoje ainda é bem diferente desse discurso sobre a postura estratégica do RH, em virtude de muitos profissionais ainda estarem enraizados nas atividades de departamento pessoal, onde estão preocupados somente com atividades burocráticas ou mesmo porque ainda não acordaram para tal fato, por acomodação, medo de perder o emprego, rejeição a mudanças, falta de conhecimento técnico e volto a afirmar, a falta de vontade de sair da cadeira.

Desenvolver lideranças é ir muito além, é despertar o interesse, a paixão, é alinhar perfis, é desenvolver no dia a dia, é tentar, é desafiar é construir um modelo de liderança que cabe aquela organização, e nós RH, com nossas ferramentas, nosso conhecimento, e nosso querer podemos ajudar a fazer a diferença! Basta querer, mas fazer a diferença cansa, motiva, desmotiva, ameaça a zona de conforto, mas só assim teremos resultados efetivamente grandiosos. E aí, topa fazer a diferença?

 

Ludmila Drumond

Analista de RH (Vianna Júnior)